segunda-feira, 28 de janeiro de 2008

Eco-cotidiano

O apego ao ambiente ancestral como estratégia conservacionista!
Incentivar o antigo, o manual, o lento porém prazeroso pode ser uma estratégia conservacionista com grandes chances de dar certo. Parece realidade que natureza ancestral e a cultura moderna travam uma batalha, que em curto prazo, provavelmente a natureza sairá perdendo, nos deixando como principais prejudicados. A idéia já é antiga (mais ou menos 1930) mas parece que pouco foi colocado em pratica. Os parques naturais são criados em todo mundo, ou com normas restritivas demais ou sem restrição alguma, mas principalmente sem qualquer planejamento de uso. Não defendo aqui uma abertura e exploração total das unidades de conservação, mas apoiaria uma maior divulgação destas e melhor gestão destas, através de um zoneamento correto das áreas, e um intenso trabalho de marketing a fim de inserir indiretamente o homem comum nestas áreas. Esta abordagem tem grandes chances de dar certo, pois temos de forma geral uma inclinação inata a se apegar a estes tipos de ambientes. Nós somos tão inclinados a isto que a todo o momento tentamos recriar este tipo de ambiente ao nosso redor, enchendo a casa de plantas, colocando arvores e fontes d’água em shoppings. A idéia é transformar o eco-turismo em um eco-cotidiano, ampliando a escala deste apego natural, para cultura e natureza tornem-se compatíveis.

2 comentários:

Fabricio Barreto Teresa disse...

Muito bacana!!

Concordo que o fomento a um maior contato das pessas com a natureza é uma ferramenta útil para a conservação.

O desconhecimento é premissa para a indiferença

Tatiana disse...

Concordo, e acrescento que além de aprendermos a viver em harmonia com o ambiente natural, é preciso aprender a consertar as besteiras que fizemos com o meio ambiente. Penso sempre: a mesma capacidade que o homem tem de destruir, ele tem de reconstruir.